Casa dos Contos Eróticos

DANIEL ME COBROU CARO

Autor: Fenix Brasil
Categoria: Homossexual
Data: 12/10/2017 06:51:12
Nota 10.00
Assuntos: Gay, Homossexual
Ler comentários (4) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Certa época estava fazendo uma obra e precisava concluir um pequeno telhado. Para isso precisava que fossem levados todos os materiais que o pedreiro fosse precisar. Os materias mais leves carreguei da minha garagem até o ponto onde seria a obra, subindo cerca de 60 degraus porém, os mais pesados e não conseguiria carregar. Cinco sacos de cimento de cinquenta quilos cada e mais algumas coisas. Meu vizinho, Daniel, de dezenove anos passando na rua, em frente à minha garagem onde eu estava arrumando ainda algum material.

Daniel: Oi, seu Luiz.

Eu: olá, Daniel. Tudo bem?

Daniel: tudo bem. Precisa de ajuda aí para carregar esse material?

Eu: precisar eu preciso, mas depende de quanto vai me cobrar.

Daniel: meu preço é sempre justo. O senhor vai conseguir pagar.

E rimos diante disso. Daniel foi logo pegando um saco de cimento e colocando nos ombros mandou eu seguir na frente para mostrar onde colocar o material.

Daniel é um rapaz moreno, pele bem bronzeada, uma parte natural e outra parte por ficar ao sol, 1,90m de altura, forte, corpo musculoso sem excessos, coxas grossas, pés grandes, mãos com dedos longos e grossos, sorriso de dentes muito brancos e franco. Um menino que veio morar perto da minha casa quando tinha 10 anos, magro, mas sempre muito estudioso. Eu o vi crescer e hoje é um homem, um homem muito bonito. Olhando ele trabalhando me pegava as vezes admirando seus braços fortes, suas penas bem torneadas, seus ombros e o volume entre suas pernas. Ele olha para mim e me vê olhando para ele, tento disfarçar mas ele sorri, apenas sorri. Por volta das dezesseis horas preparo um lanche para nós e o chamo. Ele saboreia e elogia muito. Por volta das dezoito horas vou até ele.

Eu: Daniel, pára por hoje. Deixa o restante para amanhã.

Daniel: está bem, seu Luiz. Posso tomar um banho ?

Eu: claro, você sabe onde fica o banheiro. Vou pegar uma toalha para você.

Vou pegar uma toalha para ele e quando volto ele já está debaixo do chuveiro se ensaboando.

Eu: Daniel, vou deixar a toalha aqui na porta, quando tu terminar é só pegar aqui.

Daniel: pode entrar , seu Luiz, a porta está aberta.

Entro e ele está de frente. O vidro do box é incolor e mesmo embaçado pelo vapor permite ver que ele está de pau duro e ao olhar para seu rosto vislumbro um sorriso sacana em seus lábios. Coloco a toalha sobre a bancada da pia e me preparo para sair.

Daniel: desculpa, seu Luiz mas, estou a mais de um mês sem dar uma e o tesão me deixa assim com o pau duro.

Eu: tá bom, só não vá bater punheta aqui. Vou preparar algo para comermos.

E saio dando uma gargalhada. Não demora ele está perto de mim na cozinha e senta-se. Ficamos conversando um pouco e ele toma uma cerveja e quando vai colocar o copo na pia, esbarra em mim e automaticamente me abraça e nossos olhares se encontram, ele continua me segurando em seus braços e aproxima seu rosto do meu e nossos lábios se unem em um beijo. Sua lingua procura a minha e suas mãos grandes passeiam pelas minhas costas. Beijo demorado, doce, intenso, forte.

Eu: Daniel, que foi isso?

Daniel: não gostou? Desculpa, não pude resistir. Há muito tempo que eu queria fazer isso. Vou embora.

Eu: calma. Só fiquei surpreso pois nunca imagnei isso. Fica e vamos conversar para eu entender.....

Não terminei a frase pois ele me abraça de novo e me beija e vai abrindo a minha camisa e apalpando a minha bunda. Mal tenho tempo de apagar o fogo do fogão e ele me leva para o quarto, tiramos nossas roupas e quando pego no pau dele até me assusto. Caramba, mais de vinte cms, grosso e já muito duro.

Daniel: dá uma mamada aqui, quero sentir tua boca no meu pau. Mama bem gostoso.

Fala já me empurrando pelos ombros para que eu me abaixe. Ajoelho no chão do quarto e pegando naquele caralho enorme que estava diante de mim passo a chupar com vontade. Não consigo chupar todo pois é grosso e não cabe todo na minha boca. Ele me segura a cabeça e geme de prazer a cada vez que passo a língua naquela cabeça avermelhada. Ele me levanta e novamente me beija na boca com força, quase me sufoca, ao mesmo tempo suas mãos procuram minha bunda e logo um dedo seu está brincando na portinha do meu cu que pisca de tesão.

Daniel: seu Luiz, quero meter nesse cuzinho que está piscando de vontade.

Eu: cara, não vou aguentar tu metendo isso tudo não. Vai me machucar.

Daniel: seu Luiz, toquei muita punheta pensando no rabo do senhor, quando aparecia no quintal de short, mostrando o rego. Agora vou meter nesse rabo que tanto sonhei em foder gostoso. Pega creme pra lubrificar.

Pego um óleo hidratante e passo no pau dele todo e passo também na minha bunda. Ele me deita na cama.

Daniel: seu luiz, fica de quatro que eu gosto de meter assim.

Eu: vai com calma !

E Daniel me segura com uma das mãos pela cintura e com a outra coloca o pau na porta do meu cu e vai empurrando.

Eu: Daniel, calma. Tá doendo, porra. Pára.

Daniel: vou meter tudo, até o talo.

E vai metendo ignorando meus pedidos e protestos. Uma dor me invade e tento sair mas ele me segura com força e não me deixa tirar o pau dele do meu rabo. Parece que ele está empurrando uma brasa na cabeça do pau de tanto que me arde por dentro.

Eu: pára, Daniel, por favor. Está doendo muito. Pára um pouco.

Daniel: aguenta, porra. Tava doido para dar o cu e agora tá arregando. Relaxa que falta pouco pra entrar tudo.

E Daniel grita comigo e mostra-se irritado. Tira o pau todo e um grande alívio me invade mas ele começa a meter de novo e dessa com mais força. Novamente parece que vou ser rasgado ao meio e quase grito de dor, fui impedido por um beijo. Ele me puxa com mais força com seu braço que está me segurando pela cintura e de uma só estocada mete o caralho todo em mim.

Eu: Daniel, que dor ! pára um pouco, deixa eu relaxar.

Daniel: seu Luiz, que cu gostoso é esse? Todo apertado e quente. Vou meter muito e encher ele de leite de macho.

Eu: Daniel, vá com calma, teu caralho é muito grosso e grande.

Daniel: logo vai se acostumar com meu pau e vai pedir mais. Tá quase tudo dentro.

Ele continuava metendo e eu abria bem as pernas. Ele metia um pouco e tirava e metia de novo o que facilitava a penetração pois ia lubrificando mas, mesmo assim foi bem dolorido até que entrou tudo.

Eu: pára um pouco. Deixa eu relaxar.

Daniel: que cu gostoso. Muito quente e essa bunda toda lisinha é linda.

A dor que me queimava por dentro cessa e uma sensação gostosa me invade e começo a mexer os quadris como que pedindo para ele foder gostoso. E ele atende meu sinal e começa a movimentar aquele mastro dentro de mim. Tira quase todo e mete de novo. Gemidos enchem o ar. Minha pele fica molhada de suor. De repente ele tira o caralho e me sinto oco, vazio.

Daniel: seu Luiz, fica de frango assado.

Apoio as pernas em seus ombros largos e deixo o cu bem aberto para ele. Eu mesmo pego no pau dele e direciono para o meu cuzinho que já está aberto e ele vai metendo. Dessa vez entra mais fácil e ele começa a socar o pau dentro de mim. Ergo os quadris e rebolo.

Daniel: assim, seu Luiz. Quero meter muito nessa bunda linda. Rebola no pau do teu macho.

E longos e prazerosos minutos se passam. Ele consegue movimentar-se de tal maneira que sinto o pau dele deslizando dentro de mim me deixando louco de tesão. A cada vez que ele tira o pau quase todo e mete de novo é um prazer a mais. Mas quando ele soca com força dói lá dentro. E quando ele se curva para baijar-me é muito gostoso. Sinto o pau dele inchando, anúncio que está prestes a gozar.

Daniel: seu Luiz, não estou mais aguentando de tesão, vou gozar.

Eu: goza, goza com gosto. Estou sentindo teu pau pulsando.

Daniel: arghhhhhhhhh estou gozando, enchendo teu cu de porra quente.

Sinto os jatos de porra dentro de mim, ele sua e gotas de suor caem sobre mim. Imediatamente gozo também com aquele macho me dominando. Ficamos parados uns momentos até que tira aquela tora de dentro de mim e deita-se ao meu lado. Ele me abraça e me beija, sorri e fecha os olhos. Ficamos assim abraçados por alguns minutos. Sua respiração, seu cheiro, a sensação do seu gozo, tudo enche o ar. Descansados, Daniel se levanta.

Daniel: seu Luiz, tenho de ir. Posso tomar um banho?

Eu: claro, Daniel. Fique à vontade.

Ele me pega pela mão e sinaliza para eu ir tomar banho junto com ele. Levanto e sinto o esperma dele escorrendo pela minha perna. Entramos no box e nos banhamos. Ele me abraça e beija na boca.

Daniel: por mim ficaria aqui mas, tenho de ir para casa. Olha só, estou ficando com vontade de novo.

Pego no pau dele que está em meia bomba e começo a punhetar mas ele segura minha mão e manda eu dar uma mamada. Me ajoelho e dou uma mamada.

Daniel: seu Luiz, tenho de ir mesmo. Amanhã eu volto e o senhor vai rebolar mais na minha piça.

Levantando ele me abraça e beija na boca. Se veste e vai para sua casa. Deito na cama que ainda guarda o cheiro dele. Sinto que ainda me dói um pouco mas estou já ansioso que ele volte cheio de tesão.

Comentários

13/10/2017 06:52:17
obrigado... está bem... vou contar o segundo encontro
12/10/2017 15:24:40
maravilhoso
12/10/2017 13:14:12
Que delícia, de continuidade!
12/10/2017 08:47:46
Que delícia, de continuidade!

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.