Casa dos Contos Eróticos

A descoberta

Autor: Skinhead
Categoria: Homossexual
Data: 15/10/2017 14:31:41
Nota 9.80
Assuntos: Gay, Homossexual
Ler comentários (5) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

[ Espero que este conto também seja do agrado de todos, será o meu segundo conto aqui, espero não deixá-lo grande, será um conto baseado nos acontecimentos que vivi na minha pré-adolescência].

Me chamo Fabyiano, tenho 35 anos, moreno de olhos castanhos, cabelos crespos e encorpado, mas nem sempre foi assim.

Boa parte da minha vida passei em um bairro de classe-média da capital potiguar, onde vivia com minha mãe e minha avó(Viúva) em uma casa de quatro cômodos,bem agradável.

Não tive referência paterna, minha concepção não foi planejada, sempre vivi bem minha infância, muito saudável e ativa, futebol, pedaladas e muitos passeios à praia e brincadeiras com meus poucos amigos.

Tudo aconteceu nas férias escolares de julho de 1992, o sexo aconteceu no lugar mais inesperado, minha casa...

Há muito nós convivíamos com uma doméstica, D.Júlia, que cuidou tanto da infância de minha mãe como a minha, senhora bonita, cheinha, com boa mão para cozinhar.

Ela tinha um neto que estudava na rede estadual de educação, chamado Isaias de 14-15 anos, mulato de olhos castanhos, magrelo, mas alto e desenvolvido para sua idade, pelo fato de estudar próximo a minha casa, ele sempre tinha trânsito livre.

A princípio era muito atencioso, me ajudava nas lições e brincava comigo e me acompanhava ao campinho de futebol, com consentimento de minha mãe,que acho que o via como um “protetor”para mim, me tratava pelo meu apelido, ”Binho”.

Nós vivíamos juntos, sempre brincando, jogando vídeo game o luta corpo a corpo, que era algo frequente, geralmente quando não havia ninguém por perto,D. Júlia facilitava,pois depois de seus afazeres ia sempre para seu quarto puxar um”ronco”.

Geralmente nesses combates eu era subjugado, nessas horas eu sentia uma pressão, um volume na minha bunda, eu me sentia estranho, um calor no corpo,a respiração quente de Isaias em meu pescoço dizendo:

-Perdeu boy, bate com a mão no chão!!

E eu respondia:

-Perdi um cacete...

Continuamos com a “brincadeira” por um tempo,eu estava confuso,sabia que era errado,não era coisa de homem mas sentia um prazer imenso tendo um corpo quente sobre mim,tendo aquela”lança”querendo perfurar meu calção de nylon,Isaias tinha malícia e notava minha excitação,oque o fazia continuar com seu sarro,até sentir um espasmos dele sobre meu corpo,que significava que o mesmo havia chegado ao gozo.

Estávamos suados devido ao esforço feito,e o Isaias deu a idéia de tomarmos banho juntos,fiquei meio receoso mas resolvi tomar uma chuveirada com ele,começamos a nós despir e não pude deixar de reparar em seu corpo,que apesar de magro,era bem definido e belo,como o seu cacete meia-bomba,onde pude ver que estava todo”babado”,uma rola que me deixou desconcertado, afinal nunca tinha visto algo assim, há não ser em algumas revistas.

Em certo momento estávamos nos ensaboando ele disse:

-Se lava direito boy,que banho de porco é esse?

Vira para cá para poder lavar suas costas...

Eu no momento, não achei nada demais.

Ele começou a me ensaboar e eu pude sentir suas mão fazendo movimentos circulares em meu corpo, percorrendo toda a área, nesse momento eu não pude conter e me ocorreu uma ereção o qual escondi de Isaias,que continuou a me esfregar até chegar a minha bunda e ficar ensaboando descaradamente até chegar ao reguinho, conseguindo tirar de mim um pequeno gemido,mas subitamente ele parou,se virou e me pediu para lavar suas costas também,mas ao contrário do feito em mim,ele não deixou-me lavar sua bunda,alegando que já o tinha feito.

Antes de sair do Box,ele começou a lavar sua rola,que começou a tomar forma e inchar,percebendo que eu não tirava os olhos de seu mastro,ele a balançava para os lados,e perguntou:

-Já tinha visto uma de verdade antes boy?O que está achando do tamanho?Acha pequena ou grande?

Para mim que tinha um pinto de brinquedo para minha idade,com 10cms,o dele parecia o do godzilla...

-Nossa negão, é enorme, parece um charuto.

Nisso,ele se aproxima de mim e diz:

-Ensaboa ele para mim?

Protestei mas ele disse que se eu fizesse isso ele iria trazer uma surpresa que há muito eu estava querendo.

Eu aceitei,pois estava hipnotizado por aquela coisa nervuda,e sem pensar comecei a alisá-lo e comecei a punhetá-lo.

Isaias revirava os olhos de prazer enquanto em minhas mãos sentia o ”bicho” latejar, pulsar, ele me chamava de putinha, cadelinha e viadinho gostoso,até ter um espasmo e começar a derramar leite quente sobre minhas pernas.

Depôis disso, terminamos de nos lavar e fomos para o jantar como nada tivesse acontecido.

Passado o episódio, Isaias repentinamente mudou de comportamento comigo, apesar de continuar a me acompanhar nas peladas, em minhas andanças pelo bairro, nas lições e nas partidas de videogame, sempre que eu o chamava para nossas lutas, ele desconversava, alegando não ter tempo para a brincadeira, assim como não tomava banho comigo quando havia a oportunidade.

Durante umas três semanas ele ignorou os meus chamados (ou apelos...),o que estava me deixando angustiado, chegando até a ficar meio adoentado.

Chegava a sonhar estar lutando com ele, sentindo seu nervo cutucando o meu anel sedento por rola, onde depois de perder a luta, ele como vencedor, penetrava meu rabo como seu prêmio, me desvirginando e me usando como dele.

Já estava sem esperança, mas em um dia de quinta-feira ele me chamou e me puxou pelo braço até o quarto e disse:

-Promessa é dívida boy!

E de dentro de sua mochila retirou uma fita VHS de pornô, nunca esqueci o nome do filme,”the Best of Buttman”.

O filme começava com uma galega rabuda e siliconada fazendo um strip-tease para um ator, que metia a cara no rabo da gostosa, Isaias não fez cerimônia e sem ao menos pergunta a mim, sacou seu cacete preto e começou a botar a jeba para trabalhar.

Nisso, ele disse:

E aí? Não vai bater uma também não?

Trouxe o filme para a gente assistir e nada de você?

Eu respondi:

-Olhando a sua rola não me dá nem vontade de bater uma, eu estou com vergonha de bater uma perto da sua, parece a de um burro...

Ele riu e começou a balançar o charuto para frente e para trás e olhando para mim falou:

-Você está estranho boy, parece nervoso, meu”cipó”está te deixando nervoso?

Você acha ele grande? Ele é bonito? Você quer dar uma pegadinha?

Eu vidrado respondi:

- Não, não, não sei, tenho medo, é muito grande, não é certo...

-Besteira! Estamos só nós dois aqui, vovó está descansando, bate uma pra mim já que tu não vai bater, eu juro que não vai sai desse quarto, segredo nosso...

Possuído pelo desejo e confiando em sua palavra, me ajoelhei entre suas pernas e comecei a punhetá-lo lentamente, fazendo-o gemer de tesão, o que fazia Isaias delirar e me chamar de tudo que é nome.

-Isso minha putinha! Minha cadelinha safada,bate pro seu macho,faz seu macho gozar!!!

Em meio ao tesão do momento, as imagens do filme rolando a minha frente, eu não aguentei, e em um impulso eu abocanhei aquele pedaço de nervo duro e comecei a mamar freneticamente como se minha vida dependesse disso naquele momento.

-Isso meu bezerrinho! Mama a “teta” do seu negão, tira leite da chibata...

Enquanto eu mamava e babava naquela tora preta dura, Isaias começou a acariciar minha cabeça e a empurrar seu cacete cada vez mais dentro da minha boca, fudendo como se fosse uma buceta, me tirando lágrimas dos olhos e me dando ânsia de vômito.

Não tardou muito e comecei a receber os jatos de porra quente em minha boca, Isaias segurava minha cabeça, me impedindo de sair daquela situação e dizia:

-Vai puta! Engole o mingau de gala do seu macho seu guloso, é melhor deixar ele limpinho!

-Filhinho da mamãe safado! Nasceu para ser “mamador”, agora nós vamos “rockear” gostoso! Vou fazer você ”dropar” nessa piroca...

-Não!!!Não! Por favor Isaias, você vai me rasgar com esse pau, eu não estou pronto ainda.

-O que é isso ”Binho”?!Você não confia no seu amigo? Você acha que eu faria algo para machucar você? Sem você querer?

-Me desculpa negão, eu confio em você...

-Bem, então já que você não quer me liberar o”caneco”, dá mais uma mamada no seu homem minha putinha!

Ficamos nesse chupa-chupa por um bom tempo, dois meses, mas finalmente estava chegando o dia de eu perder a virgindade anal.

Aconteceu, mas nunca é como planejamos, não foi belo, não foi romântico, não foi a consenso e o principal: Não foi com ele...

Continua...

Comentários

30/10/2017 08:55:54
É tão bom mamar piroca a primeira vez!
16/10/2017 16:56:14
Delicioso !!!
16/10/2017 00:41:43
PERFECT❤
15/10/2017 18:03:18
LAMENTÁVEL QUE NÃO TENHA SIDO COM ELE. TORCIA POR ALGO MAIS SÉRIO ENTRE VOCÊS.
15/10/2017 15:33:16
Bom

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.