Casa dos Contos Eróticos

A Descoberta 11 (Curtindo com o inimigo).

Autor: Skinhead
Categoria: Homossexual
Data: 17/10/2017 14:13:18
Nota 10.00
Assuntos: Gay, Homossexual
Ler comentários (1) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Depois de ser descoberto por um deslize sexual, pode-se dizer que caí no conceito entre meus amigos, felizmente muitos não ligaram, alguns ficaram com frescuras e outros viraram filhos da puta, se mostrando cretinos homofóbicos.

A vida continuava, já era junho de 1996, tudo era brincadeiras, festas, praia e o velho futebol, que não reinava mais absoluto, pois o esporte da moda tinha mudado e agora era o basquete, que enchia a quadra.

Entre os garotos havia três irmãos, eram legais, tirando o do meio, chamado Fábio. Cara arrogante, galado e metido a Bad Boy, e por isso sempre sacaneava alguns garotos e eu não seria exceção, afinal era a “bola da vez”, sendo vítima de suas piadas, insulto e comentários homofóbicos.

Brigávamos sempre, chegando até a sair na tapa, o fato de ser homossexual ou “fresco” como ele gostava de me chamar não me fez fraco, ao contrário dos viadinhos delicados e de porcelana que não sabem se defender,eu sabia ser defensivo e ofensivo.

Mas como estava dizendo, o basquete era o esporte do momento, vivíamos jogando, até ele jogava, oque me dava motivação e que eu adorava derrotá-lo, só para fazê-lo ficar puto de raiva.

Mas um dia, estávamos jogando basquete na quadra do colégio, eu ele e mais duas duplas, jogamos a tarde toda, até um a um irem para suas casas, afinal estava perto do horário de jantar, ficando somente eu e Fábio.

E o jogo não corria bem, como sempre ele me hostilizava:

- Vai fresco! Está cansado?! Vamos,vamos,vamos! Se você consegue agüentar rola, uma partida de basquete não será nada, “melhor de três” não mata ninguém...

E em meio ao jogo ele continuava tirando onda me enchendo o saco, já estava puto com as gracinhas dele, mas resolvi me concentrar no jogo para quebrar a cara dele.

Ele então começou um papo estranho, tosco.

- e aí fresco? Tú é chegado em que tipo de rola?

Você gosta daquelas cabeçudas, nervudas cheia de veias, grossas como uma lingüiça calabresa ou das compridas e com bolas grandes?

- Por que Fábio?

Você está interessado em saber qual o melhor tipo para você cair de boca?

-Calma boy, é só conversa, entre amigos... Mas diz aí, você gosta mesmo de tomar leite de rola? Tomar leite em “canudo de carne”?

- Eu não estou entendendo o rumo de sua conversa Fábio, aonde você quer chegar?

O interessante é que ele enquanto nossa conversa rolava, várias vezes alisava seu cacete, já se podendo ver um grande volume, oque começava a mexer comigo, Fábio não deixava de falar.

-Caralho fresco,pois quando eu gozo,parece até um saco de leite estourando, você devia ver...

-Uau! Sério?! Parabéns para você, eu estou espantado...

Estava cheio do lenga- lenga dele, então parei o jogo e disse direto:

-Qual é a sua Fábio?! Você nunca parou para conversar comigo, e hoje está sendo a maior conversa que nós estamos tendo e agora estamos conversando como velhos amigos... Porque não me diz oque está querendo comigo?

Então para minha surpresa ele disse:

-Quero que você pague uma chupeta para mim...

- Você está louco! Só pode estar de brincadeira... Eu, chupar você?! Você deve achar que sou um otário, um imbecil, por acaso tem escrito burro em minha testa?

Você nunca gostou de mim, já brigou e mal fala comigo, sempre me tratou mal e agora vem com essa história?!

- eu sei você tem todo direito de ter raiva de mim, por causa de como lhe trato, mas você é um boy legal...

- “Boy legal”? Sei... Conta outra...Se sou legal como você diz, então porque você sempre me trata mal?

- eu tenho que manter minha imagem de bad boy...

Vamos deixar nossas brigas para trás, podemos virar amigos entre nós, mas na frente dos outros eu tenho que continuar a te sacanear, mas prometo que vou aliviar...

Sabem qual é o problema de todo filho da puta sacana metido a bad boy?

Todos geralmente além de charmosos com seu jeito cafajestes de serem, têm uma lábia do caralho...

E com Fábio não era diferente, era aquele magro sarado, belas pernas, um rosto atraente e sorriso de sacana.

Eu estava meio que um pé atrás com aquela atitude inesperada dele, alguém que me desprezava e que eu odiava, querer fazer um oral comigo.

Apesar de tudo que prometi a Caio e suas ameaças, eu não me contive, não podia deixar uma “carne fresca” daquela passar por mim intacto, ainda mais sendo algo que ele queria fazer de livre vontade.

Então aceitei sua proposta e fomos para uma sala vazia, o engraçado foi oque ele falou no meio do caminho:

- Ei Boy, eu quero que você me chupe bem legal,quero que você dê um trato na minha chibata...

Em seguida perguntei:

- Não quer comer meu cú não?

- Sem chance boy, só chupeta mesmo, não sou chegado a rabo de macho não, só de boyzinha, eu “não sou fresco” não...

Eu me segurei para não rir, “eu não sou fresco”, típico papo de pseudo-macho que acha que por ser ativo não tem tendência homossexual...

Chegando a um bloco de salas, procuramos uma com a porta trancada, achada a sala, pulamos a janela e não perdemos tempo, afinal era horário de jantar.

Fábio encostou-se na parede, enquanto eu puxei seu cacete pela perna de seu calção, apesar de ser um cara detestável não pude deixar de apreciar o quanto seu membro era bonito, devia ter 16-17 centímetros, comprido, cabeçudo, com veias salientes e enormes bolas descoladas.

Comecei então a lambê-lo, da base até a glande, fazendo gemer de excitação.

- Caralho boy... Você chupa como uma profissional, Ewerton deve estar metendo com força aí dentro...

Fazendo-me de ofendido, parei de chupar e disse:

- Quem lhe disse por acaso que eu já dei meu cú para Ewerton ou para algum outro garoto?! Nunca aconteceu nada comigo (mentira do cacete...), há não ser aquela chupeta no meio da mata, você entendeu?

- Desculpa... Desculpa... Foi mal caralho, mas agora deixe de conversa e volta a mamar.

Enquanto chupava seu cacete, eu sentia suas pernas tremerem com minha felação, algo estranho para quem sempre se disse “pegador” parecia um novato no assunto.

Chupava suas bolas com força, fazendo o escroto gemer de tesão.

-Uuuuuuh! Caralho... Vai boy, chupa a nervuda, lambe o “chapéu” de couro...

Fabio segurava minha cabeça, e foi aumentando o ritmo das bombadas, estava chegando o momento do gozo, e realmente não demorou muito, então ele disse:

-Se prepara fresco, vou encher sua boca de leite agora!Vou encher essa boca de leite fresco, você vai adorar...

Senti minha boca encher de leite e engoli cada gota deixando Fábio satisfeito.

-Isso, assim é que se faz... Fresquinho que é fresquinho tem que tomar o leite de seu macho todinho até a última gota.

Acabada a sessão felação, fiz menção de se levantar para irmos embora, mas para minha surpresa Fábio me impediu e disse:

-não, nada disso, agora eu quero comer seu rabo para terminar de vez...

-Como é que é?! Nada disso, o acordo era só lhe chupar e pronto.

Você não disse que não curte cú de macho?

-Bem, você não é um macho, você é um boy, aí é outra coisa.

Pura conversazinha fiada para boi dormir...

-Vamos, prometo ser carinhoso com você, irei fazer bem gostoso.

Resolvi aceitar e ver no que dava, então tirei meu calção e minha cueca, deitando de bruços, no momento estava despreparado, sem camisinhas e lubrificante, o sexo seria no “osso”.

Já pronto pus a cabeça sobre os braços e disse:

- Devagar na brincadeira Fábio...

- Tranqüilo Boy, aqui está um cara que sabe meter gostoso, depois de hoje você vai querer dar todo dia...

-Você se acha mesmo heim Fábio...PQP!

-Eu não me acho, “fresco”, eu sou.

Deitado a espera da penetração, levei uma tapa forte, que estalou na minha bunda, fazendo arder minha pele.

-Se prepara para a foda “fresco”, vou encher esse rabo de leite quente...

Com a delicadeza de um elefante, Fábio encostou a cabeça na entrada do meu rabo, a princípio me causando uma leve dorzinha, mas em um movimento brusco, ele enterrou seu penis ma fazendo gritar de dor.

-aaaaaaaaaaah! Tira! Tira! Tira! Porra, caralho Fábio! Está doendo...

- Tá doendo viadinho? Hoje você vai sofrer na rola, ou tu acha que eu esqueci aqueles socos e joelhada que recebi?

-Por isso deixe de manha fresco! Viadinho tem que gemer na rola do macho... Mas estou achando estranho, para quem disse que era virgem, seu cuzinho não parece ser tão arrochado assim, disse rindo.

-Eu sou virgem de rola seu palhaço! Não de consolo...

Fábio começou a bombar com força, me fazendo gemer de dor e encher os olhos, ele me currou sem se importar com meu sofrimento.

Eu podia sentir o vai e vem de sua rola comprida, sentia ela me tocar profundamente lá dentro do meu rabo, quase bem dizer um “exame” de próstata adiantado.

Mas toda raiva e aversão a ele estavam passando, as sensações de dor, de sofrimento, não faziam mais parte contexto, estava começando a sentir prazer com aquele merda, era prazeroso sentir aquele nervo duro adentrar em meu corpo quente, assando meu rabo, me fazendo gemer, só quem já fez sexo anal, sabe o quanto ter uma rola no rabo é uma sensação deleitosa.

Excitado, comecei então a rebolar no seu cacete, fazendo ele gemer e comentar:

-Está gostando hein safada... Eu sabia que com você não seria diferente.

Fábio recomeçou a bombar em minha bunda, mas apesar das dores que sua ferramenta me dava, me proporcionava muito tesão ao mesmo tempo.

Ele me chamava de “fresquinho”, “puta”, “vadia” e outros termos depreciativos, apesar do prazer era visível minha expressão de dor, vendo isso ele acelerou seu ritmo, tornando mais forte, penetrando e tirando tudo fortemente.

Fábio anunciou que iria gozar então o filho da puta tirou seu cacete do meu rabo e me puxou pelo cabelo, me fazendo ajoelhar e sem cerimônia enfiou e gozou em minha boca.

-Uuuuuuuuuh!Toma leite fresco... Não quero um pingo de leite no chão...

Eu me levantei, e com raiva dei um “tostão” em sua coxa, o fazendo cair e puto disse:

-Porra filho da puta! Que merda... Que seboseira boy... Meter no cú e gozar na boca?!

Ele não foi menos “sutil” do que eu e aproveitou que eu estava sem calção e deu uma joelhada nas minhas bolas me fazendo ajoelhar de dor então me pegou pelos cabelos e disse:

- eu só não lhe quebro agora seu fresco porque não quero, seria muito fácil fazer isso...

Mas apesar desse “tostão” que tu me deu não vou fazer isso... Só de dar uma gozada nessa sua boquinha de puta e esfolar esse rabo folgado,já fico satisfeito.

Agora irei para casa bater um rango legal...

Mas agora fique ligado fresco, pois sempre que eu quiser dar uma aliviada eu vou querer você pronto, e aí de você se negar esse rabinho para mim.

Fábio então vestiu sua roupa e saiu rindo da sala de aula.

Eu fiquei no chão descansando da joelhada e da trepada que havia dado, e pensando na merda que eu havia feito e no monstro que havia criado, estando ciente que não ficaria somente naquela trepada somente e na possibilidade de ficar nas mãos de Fábio e se submeter as suas taras.

Depois me retirei e fui para casa, entrando discretamente e indo direto tomar banho.

Felizmente apesar do fatídico episódio, tive meu momento de total prazer e alegria, sendo visitado por Caio que veio me felicitar pelo meu aniversário e me convidou para a sua casa para uma noite de amor.

Fim.

Comentários

21/10/2017 00:37:12
Bixa má

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.